DHL identifica África como a próxima fronteira para o setor dos cuidados de saúde

CAPE-TOWN, South-Africa, July 29, 2013/African Press Organization (APO)/ — Ao longo da última década, o setor global das ciências da vida registou um sólido crescimento. O mercado mundial dos produtos farmacêuticos, por exemplo, duplicou no período de uma década, atingindo um valor de cerca de 1 bilião de dólares e espera-se que continue a crescer 3 a 6% ao ano até 2016 (IMS 2012a). Esta enorme procura, particularmente acentuada nos mercados europeu e norte-americano, está agora a chegar aos mercados emergentes, mais dinâmicos, como a China, Rússia e Índia, sendo especialmente relevante em África, que se está a assumir como a próxima fronteira para o setor dos cuidados de saúde.

Logo: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/logos/dhl_logo2.jpg

Photo 1: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/photos/dhl-life-sciences_smart-sensor-technology.jpg

Photo 2: http://www.photos.apo-opa.com/plog-content/images/apo/photos/dhl-life-sciences-1.jpg

É o que diz Sumesh Rahavendra, Chefe do Departamento de Marketing da DHL Express para a África Subsariana (http://www.dhl.com), que refere que a África assistiu a um enorme crescimento do setor das ciências da vida e dos cuidados de saúde ao longo dos últimos anos, bem como a um investimento no desenvolvimento dos cuidados de saúde, em especial no setor da logística, como resultado desse crescimento.

“As empresas olham para África cada vez com mais interesse devido às oportunidades que este continente oferece, uma vez que é um dos poucos locais no mundo que ainda regista um crescimento na ordem dos dois dígitos. O modelo de logística das ciências da vida em África está portanto em forte transformação, tendo-se registado, nos últimos dois anos e meio, grandes taxas de crescimento em países como o Quénia, que abastece a África Oriental, e a África do Sul, que ocupa um papel fundamental para os países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC); isto para além dos carregamentos diretos destinados a países específicos, à medida que as infraestruturas crescem na região.”

Referindo-se ao recente relatório da DHL sobre os principais desenvolvimentos em matéria de logística no setor dos cuidados de saúde para 2020 e para além desta data, intitulado “Key Logistics Trends in Life Sciences 2020+”, Rahavendra afirma que este crescimento em África pode atribuir-se à maior esperança média de vida, o aumento do nível de urbanização e à ascensão da classe média registados na África Subsariana. “Embora a África Subsariana conte com 12% da população mundial, esta região consome 24% dos recursos de cuidados de saúde do planeta.”

Rahavendra refere que outro fator que contribui para esta alteração é o crescimento do comércio eletrónico na indústria farmacêutica. “O setor dos cuidados de saúde irá acabar por acompanhar o setor da tecnologia, uma vez que onde há comunicação há capacidade. Assim, à medida que as infraestruturas tecnológicas proliferam no país, o mesmo sucede com as infraestruturas de cuidados de saúde.

“Com a evolução constante da tecnologia, pensa-se que não demorará muito até que os consumidores sejam capazes de se automedicarem e encomendarem medicamentos não sujeitos a receita médica por telemóvel ou pela Internet. Este tipo de desenvolvimentos pode alterar enormemente quer o setor dos cuidados de saúde quer o da logística.”

No entanto, as atuais alterações verificadas neste setor, explica Rahavendra, são acompanhadas de desafios importantes que urge superar com base nos desenvolvimentos atuais. “Um desafio essencial consiste na maior diferenciação das cadeias de fornecimento e na necessidade de as empresas disporem de cadeias de fornecimento flexíveis, no sentido de se adaptarem às necessidades de produtos inovadores.

“À medida que a inovação na indústria farmacêutica se direciona para os produtos especializados e biotecnológicos, o mesmo se verifica com a necessidade de cadeias de transporte e armazenamento controladas e de temperatura condicionada, algo que, até aqui, apenas se aplicava às remessas de vacinas e amostras de sangue.”

Refere ainda que, devido à conjugação das crescentes obrigações regulamentares, do enfoque nos mercados abrangentes e das necessidades dos novos produtos, nomeadamente no que se refere ao controlo da temperatura e à pressão para a redução de despesas, o setor das ciências de vida e dos cuidados de saúde está a acelerar os seus esforços de transformação e diferenciação das cadeias de fornecimento.

“Apesar destes obstáculos, esperamos que o setor das ciências da vida e dos cuidados de saúde continue a prosperar no próximos anos graças ao investimento e desenvolvimento verificados atualmente no continente africano”, conclui Rahavendra. “O futuro é promissor em África, e o setor dos cuidados de saúde será um dos seus principais protagonistas.”

Distribuído por African Press Organization por Deutsche Post DHL.

Contactos para a comunicação social:

Lee Nelson. Chefe do Departamento de Marketing e Comunicação, África Subsariana

N.º de tel.: +27 21 409 3600 Telemóvel: +27 72 361 0178

lee.nelson@dhl.com

DHL – A empresa de logística para o mundo

A DHL é líder de mercado global na indústria da logística e “A empresa de logística para o mundo”. A DHL dedica os seus conhecimentos de especialidade em transporte expresso, aéreo e marítimo internacional, transporte rodoviário e ferroviário, logística de contratos e serviços de correio postal internacionais aos seus clientes. Uma rede global composta por mais de 220 países e territórios e cerca de 285 mil funcionários em todo o mundo oferecem uma qualidade de serviço superior e conhecimentos locais para responder às suas necessidades de cadeia de fornecimento. A DHL aceita a sua responsabilidade social apoiando a proteção do meio ambiente, gestão de catástrofes e educação.

A DHL faz parte da Deutsche Post DHL. O Grupo gerou receitas superiores a 55 mil milhões de euros em 2012.

Powered by WPeMatico

Share
This entry was posted in African News. Bookmark the permalink.

Leave a Reply